LISBOA (Ribeirinha)

  • FOTOGRAFIAS DE Lisboa


    O autor considera que um processo razoável para dar a conhecer ao Leitor a cidade de Lisboa é de mostrá-la através de fotografias acompanhadas de breves notas explicativas não científicas, pelo que passa a fazê-lo imediatamente.

    Informa-o, também, que esta secção, ainda em fase de conceção, está em permanente atualização.

    Todas as indicações sobre horários e custo de bilhetes de entrada reportam-se a julho de 2012 e deverão ser confirmadas antecipadamente pelo Leitor, que poderá recorrer aos contatos mencionados neste Site.

    oooooooooooooo

    Lisboa JUNTO AO TEJO OU Lisboa RIBEIRINHA E SEUS MIRADOUROS

    PONTE VASCO DA GAMA

    (A Ponte Vasco da Gama comemora o 5º Centenário da chegada de Vasco da Gama à Índia, foi inaugurada em 29 de março de 1998, dois meses antes da inauguração da EXPO 98, tem 17,3 kms dos quais 12 sobre o Rio Tejo e 155 metros de altura e é a mais longa da Europa. Custou cerca de 900 milhões de Euros, sem custas para o Estado, que foram suportados por um consórcio privado, Lusoponte, contra a garantia da sua exploração e da exploração da Ponte 25 de Abril por quarenta anos. Permite o tráfego Norte-sul de Portugal aliviando os congelamentos da Ponte 25 de Abril. Foi planificada para resistir a terramotos quatro vezes superiores ao que Lisboa sofreu em 1755 e a ventos com velocidade de 250 kms por hora, tendo sido tomadas precauções especiais para que não tivesse impacto ambiental negativo na nidificação das aves aquáticas que procuram o Parque Natural do Estuário do Tejo, por exemplo, a inclinação para dentro da iluminação noturna. Levou 36 meses a construir e liga Lisboa e Sacavém ao Montijo (Portugal) e Alcochete. Portagens: classe 1, 1,55 Euros; classe 2, 3,55 Euros; classe 3, 5,05 Euros; classe 4, 6,60 Euros)

    (20014)

    (L1645)

    (L1647)

    (L1648)

    (L5159)

    PARQUE DAS NAÇÕES, EXPO 98 (EXPOSIÇÃO MUNDIAL DE 1998)

    (O Parque das Nações situa-se na zona onde funcionou a Exposição Mundial de 1998, Expo 98, cujo tema foi OS OCEANOS, UM PATRIMÓNIO PARA O FUTURO e que ocorreu entre 22 de maio e 30 de setembro de 1998. Recebeu cerca de 11.000.000 visitantes e foi considerada a melhor exposição mundial até à data. Muitas da obras feitas foram aproveitadas para grandes melhoramentos no local onde funcionou, ao contrário à Exposição Mundial de Sevilha, Expo 92, da qual muito pouco foi aproveitado. Das obras executadas são de relevar o Oceanário do Arquiteto Peter Chermayeff, o Pavilhão Multiusos da Utopia, agora Pavilhão Atlântico do Arquiteto Regino Cruz e a Gare do Oriente do Arquiteto Santiago Calatrava, a Torre Vasco da Gama, o Teleférico e as Torres Gémeas. O Parque das Nações situa-se no Concelho de Lisboa e é administrado pela Parque Expo 98, S. A., Av. D. João II, Lote 1.07.2.1, 1998-014 Lisboa, Telef: (351) 218 919 898, Fax: (351) 218 919 003, E-mail: info@parqueexpo.pt)

    Parque das Nações – Vista a partir do Rio Tejo

    (L1649)

    Parque das Nações – Torre Vasco da Gama

    (A Torre Vasco da Gama tem 142 metros de altura, foi inaugurada em 1998 e sugere o mastro de um navio antigo à vela, O projeto de estrutura é de autoria de Nuno Costa e o de arquitetura de Leonor Janeiro. É o arranha-céus mais alto de Portugal. É hoje um hotel)

    (L2164)

    (L2174)

    (10983)

    (20005)

    (10997)

    Parque das Nações – Campus de Justiça

    (A zona do Campus de Justiça foi de autoria de Frederico Valsassina, Arquitetos e Nuno Leónidas & Associados; o promotor foi a empresa Norfin: a construção esteve a cargo de EDIFER-CONSTRUÇÕES, SA e de MOTA-ENGIL-ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO; a inspeção técnica foi feita por José António Paulo (2008). Encontram-se nela os principais Tribunais de Lisboa)

    (L0987)

    (L0990)

    (L0988)

    (L0980)

    (L0985)

    (L0982)

    Parque das Nações – Zona de Restaurantes

    (L2176)

    Parque das Nações – Feira Internacional de Lisboa

    (A FIL – Feira Internacional de Lisboa, situa-se Rua do Bojador -. Parque das Nações, Lisboa, Telef: (351) 218 921 500. Tem quatro pavilhões com áreas individuais de 10.200 m2 e altura útil de 10 metros)

    (L2180)

    (L2182)

    Parque das Nações – Fonte e Passeio Empedrado

    (L2203)

    (L2185)

    (L2195)

    Parque das Nações – Pavilhão MEO Arena (e Torres de São Gabriel e São Rafael) – Ex-Pavilhão Atlântico

    (O Pavilhão MEO Arena é um pavilhão polivalente e tem uma capacidade para 20.000 pessoas e foi concebido pelo Arquiteto Regino Cruz associado ao gabinete Sidmore, Owings & Merril. Foi inaugurado durante a Expo 98 e o seu primeiro nome foi Pavilhão da Utopia e na sua construção utilizou inovadoramente como principal matéria-prima a madeira. Endereço do Pavilhão Atlântico: Atlântico-Pavilhão Multiusos de Lisboa, S. A., Rossio dos Olivais, Lote 2.13.01A, 1990-231 Lisboa, Telef: (351) 218 918 409, Fax: (351) 218 918 413, E-mail: info@pavilhaoatlantico.pt.)

    (L1650)

    (L2186)

    (L2189)

    Parque das Nações – Centro Comercial Vasco da Gama

    (O Centro Comercial Vasco da Gama foi a porta de entrada para a Expo 98, tendo sido inaugurado, após obras orçadas em 4,5 milhões de Euros, em abril de 1999. Tem 206 lojas) (Horário: segunda-feira a domingo das 09,00 às 24,00). Endereço: Centro Vasco da Gama, AV. D. João II, Lote 1.05.02 1990-094 Lisboa, Telef: (351) 218 930 601, Fax Administração: (351) 218 930 615, E-mail Administração: centrovascodagama@sonaesierra.com)

    (L2193)

    (L2210)

    (L2160)

    Parque das Nações – Estátua do Homem-Sol

    (Inaugurada em 1998 é de autoria de Jorge Vieira, pesa 15 toneladas e tem 20 metros de altura)

    (L2194)

    Parque das Nações – Gare do Oriente

    (A Gare do Oriente é o Ponte de Confluência de toda a rede de transportes da zona Oriental de Lisboa por ela passando também em direção a diversos pontos de Portugal e Estrangeiro. O seu projeto foi do Arquiteto Santiago Calatrava tendo sido inaugurada em 19 de maio de 1998. Também é conhecida por Gare Intermodal de Lisboa ou Estação Ferroviária de Lisboa – Oriente) (Endereço: Ed. Gare do Oriente, Piso 1, Av. D. João II, 1990-233 Lisboa, Telef: (351) 808 208 208, http://www.cp.pt, 38º46’4,57”Norte 9º5’56,51 Oeste)

    (L2158)

    (L2152)

    (L2161)

    (L2163)

    Parque das Nações – Torres de São Gabriel e São Rafael e Teleférico da Expo

    (Tem cerca de 1.000 de comprimento e percorre o Parque das Nações a cerca de 20 metros de altura. Foi inaugurado em 1998. Endereço do teleférico: Teleférico – Parque das Nações – Circuitos Turísticos. Parque das Nações, Portas do Sol 1990-216 Lisboa, Telef: (351) 218 965 823, (Horário: segunda-feira a sexta-feira das11,00 às 19,00, sábado e domingo das 10,00 às 20,00) ( Tarifário: ida 3,95 Euros e ida e volta 5,90 Euros, adultos; ida 2,00 Euros e ida e volta 3,35 Euros seniores e crianças)

    (L1651)

    (L2167)

    (L2171)

    (L2173)

    Parque das Nações – Pavilhão de Portugal

    (Inaugurado em 1998 foi projetado pelo Arquiteto Álvaro Siza Vieira tem um telhado que desafia a gravidade pesando 1.400 toneladas e medindo 50 metros x 67 metros. Encontra-se desocupado existindo projetos planos para transformá-lo num Museu de Arquitetura)

    (L2206)

    (L2208)

    Parque das Nações – Casino de Lisboa

    (O Casino Lisboa foi inaugurado em 19 de abril de 2006 e foi instalado nas instalações do Pavilhão do Futuro da Expo 98.e faz parte das empresas dominadas pelo magnate Stanley Ho, entre elas a Estoril-Sol proprietária do Casino. Endereço: Alameda dos Oceanos, Lt 1.03.01, Parque das Nações 1990-204 Lisboa, Telef: (351) 218 929 000, Fax: (351) 218 929 059, E-mail: info.casinolisboa@estoril-sol.com) (Horário: segunda-feira a quinta-feira e domingo das 15,00 às 03,00, sextas-feiras e sábados das 16,00 às 04,00)

    (L2204)

    (L2205)

    Parque das Nações – Oceanário

    (O Oceanário foi inaugurado em 1998 e foi concebido pelo Arquiteto Norte-americano Peter Chermayeff. Ocupa uma área de 20.000 metros quadrados, tendo um tanque central com a capacidade de 5.000.000 de litros de água que representa o Oceano Global. Além deste tem outros tanques que lhe dão uma capacidade acrescida de 2.500.000 litros. É considerado o segundo maior Oceanário do mundo e nele convivem tubarões, barracudas e inúmeras espécies de peixes, assim como aves, por exemplo, o papagaio-do-mar, e mamíferos, como seja a lontra marinha. (Horário: Verão das 10,00 às 20,00, última admissão às 19,00; Inverno das 10,00 às 19,00, última admissão às 18,00) (Tarifário da Exposição Permanente: 0 a 3 anos, grátis; 4 a 12, 9 Euros; 13 a 64, 13 Euros; 65 anos ou mais, 9 Euros, Família 34 Euros. Endereço: Doca dos Olivais, Parque das Nações 1990-005 Lisboa, Telef: (351) 218 917 002, Fax: (351) 218 955 762, E-mail: reservas@ocenario.pt)

    (L1652)

    (L2199)

    (L2197)

    Pavilhão do Conhecimento – Ciência Viva

    (O Pavilhão do Conhecimento ocupa uma área de 4.000 m2 e é um Museu Interativo entre a ciência e a tecnologia, abrangendo, entre outros, os mundos da Física, da Matemática e da Tecnologia. Foi inaugurado em 1998 e o seu projeto foi de autoria do Arquiteto Carrilho Graça e do Engenheiro António Adão da Fonseca. Endereço: Pavilhão do Conhecimento – Ciência Viva, Parque das Nações, Alameda dos Oceanos, Lote 2.10.01,1990-223 Lisboa, Telef: (351) 218 917 104, Fax: (351) 218 917 171, E-mail: reservas@pavconhecimento.pt) (Horário: de terça-feira a sexta-feira das 10,00 às 18,00, fins de semana e feriados das 11,00 às 19,00. Encerrado as segundas-feiras, 1 de janeiro, 24, 25 e 31 de dezembro) (Tarifário: 5 Euros adultos; 2,5 Euros mais de 65 anos; 2 Euros crianças dos 3 aos 6 anos, 2,5 Euros grupos de alunos com mais de 7 anos;; grátis educadores, professores. Entradas gratuitas em 18 de maio, 25 de julho e 24 de novembro)

    (L2200)

    Parque das Nações – Torre da Sacor

    (Antiga Torre da Petrolífera Sacor junto à Porta do Mar do Parque das Nações, recuperada pelos Arquitetos Manuel Graça Dias e Egas José Veiga)

    (20006)

    (20007)

    Parque das Nações – Marina

    (Inaugurada em 1998, integra-se no Grupo Parque EXPO, Tem 602 postos de amarração, 4.000 m2 de estacionamento de embarcações a seco,, 5.000 m2 de espaços comerciais no Edifício Nau, Clube da Marina com 1.000 m2, Ponte-cais com 230 metros de comprimento e cais de eventos com 170 metros de comprimento. Calado máximo das amarrações: 3,50 metros, comprimento máximo das amarrações: 25/230 metros. Horário de Entrada no Inverno: das 09,00 às 19,30; no Verão das 09,00 às 21,00. Endereço: Edifício Capitania, Passeio de Neptuno 1990-193 Lisboa, Telef: (351) 218 949 066, Fax: (351) 218 949 067, E-mail: marina@parqueexpo.pt, 38º45’22 Norte 9º05’33 Oeste)

    (L1657)

    (L1656)

    MONUMENTO DA PRAÇA 25 DE ABRIL – DIA DA LIBERDADE

    (Esculpida pelo Arquiteto José Guimarães ou José Maria Fernandes Marques – capitão de abril – e é uma homenagem Aos Construtores da Cidade, embora seja dito que é uma Homenagem ao 25 de Abril ou uma Figura Feminina debruçada sobre o Tejo. A Praça foi inaugurada em 25 de abril de 1999, vinte e cinco após a Revolução de 1974)

    (L2251)

    DOCA DO POÇO DO BISPO

    (Situada a 38º44’25” Norte 9º5’59”Oeste, em Marvila, Poço do Bispo, Lisboa há muito tempo que não é dragada e os seus fundos são praticamente nulos, servindo, na prática, de cemitério de navios. Endereço: Doca do Poço do Bispo 1950-377 Lisboa)

    (L2279)

    (L2277)

    (L2281)

    SILOS DA SILOPOR DO BEATO

    (A Silopor, Empresa de Silos Portuários SA, é uma empresa estatal em vias de ser privatizada que opera silos em Lisboa, Trafaria e Vale de Figueira. Os fundos do seu cais do Beato limitam os calados dos navios graneleiros a cerca de 8 metros. Endereço: Av. Infante Dom Henrique Terminal Portuário do Beato 1900-263 Lisboa, Telef: (351) 213 923 200, Fax: (351) 213 923 207, E-mail: jdernatos@mail.tetepac.pt)

    (L2271)

    (L2270)

    (L2273)

    TERMINAL DE CONTENTORES DE SANTA APOLÓNIA

    (O Concessionário é a Sotagus – Terminal de Contentores de Santa Apolónia, está vocacionado para o tráfego short sea e está ligado a um ramal de caminho de ferro. Tem 164.500 m2 e área coberta de 2.400 m2. Fundos entre -7,3 metros e -8,3 metros. Endereço: Sotagus – Terminal de Contentores de Santa Apolónia SA., Rua Cintura Porto de Lisboa, Edifício Tcsa Xabregas, 1900-649 Lisboa, Telef: (351) 218 625 634, Fax: (351) 218 625 639, http://www.sotagus.pt)

    (L1629)

    (L1630)

    MOSTEIRO DE SANTOS-O-NOVO

    (Foi mandado construir por D. João II e remonta aos fins do século XIII. É notável pelo seu claustro e pela Igreja dedicada aos SANTOS Mártires da Pátria, Veríssimo, Máxima e Júlia que se entregaram espontaneamente ao executor durante a perseguição de Diclociano confessando a sua fé cristã. Sofreram açoites, ecúleo, unhas de ferro, lâminas em brasa, foram arrastados pelas rua da cidade e, finalmente, decapitados. Os cães e às aves recusaram-se a comer os seus corpos pelo os seus despojos foram lançados ao mar amarrados a pesadas pedras. No entanto, barqueiros encontraram-nos na praia e repousam agora na Igreja do Mosteiro de Santos-o-Novo. Alcançaram o martírio em 1 de outubro de 303 ou 304 e a sua festa celebra-se a 3 de outubro. O mosteiro foi inicialmente utilizado como Convento das Comendadeiras de Santiago de Espada. A Ordem dos Cavaleiros de Santiago de Espada estava autorizada a casar, tornando-se indispensável para recolher as suas viúvas e filhas solteiras desamparadas, caso frequente e resultado da sua vida militar arriscada. Endereço: Largo de Santos-o-Novo 1900-409 Lisboa, Telef: (351) 218 153 761)

    (L2269)

    (L2255)

    (L2263)

    (L2266)

    (L2268)

    RESTAURANTE CERVEJARIA MARÍTIMA DE XABREGAS

    (Preferência do autor para Bacalhau Assado com Batata a Murro)

    (Inaugurado em 1966, situa-se na Rua da Manutenção 40, 1900-320, Lisboa, Telef: (351) 218 682 335, Fax: (351) 218 610 027, http://restaurantemaritimadexabregas.pai.pt.) (Uma dose de bacalhau dá para 2 a 3 pessoas e aconselha-se que seja pedida “à moda do Engenheiro Félix”, 32 Euros, pois a posta será retraçada escrupulosamente, embebendo-se mais o bacalhau do azeite com alho quente. São também louváveis a Costeleta de Novilho na Brasa e, às quintas-feiras, o Cozido à Portuguesa)

    (L2051)

    (L2233) Entrada e assador

    Bacalhau assado na brasa à Marítima

    (L2230) Rabo de bacalhau

    (L2231) Posta de bacalhau

    (L2232) Bacalhau à Engenheiro Félix Lopes

    ESTAÇÃO FERROVIÁRIA DE Lisboa – SANTA APOLÓNIA

    (A Estação de Santa Apolónia situa-se na zona ribeirinha de Lisboa perto do Bairro Típico de Alfama e do Panteão Nacional e serve de interface ferroviário da Linha do Norte donde partem e chegam todos os comboios que vão nessa direção, Alfa Pendular, Intercidades, InterRegional, Regional e Urbano para Castanheira do Ribatejo. Também partem dela o Sud-Expresso com ligação para Paris e o Lusitânia Comboio Hotel para Cáceres e Madrid. Foi inaugurada em 1 de maio de 1865 e está construída em estilo neo-clássico. (Horários das Bilheteiras: Alfa Pendular, Intercidades e Regional: segunda-feira a sexta-feira das 05,30 às 22,00, sábado e domingo: das 06,15 às 22,00; Serviço Internacional: Diário, das 06,40 às 21,30, venda antecipada até às 21,30; Serviço Urbano: Dias úteis, das 07,20 às 21,00, sábados, domingos e feriados oficiais das 08,00 às 12,00 e das 14,00 às 16,30) (Endereço: Largo dos Caminhos de Ferro 1100-105 Lisboa,

    Telef: (351) 211 022 000, Fax: (351) 211 021 719, E-mail: ci@refer.pt)

    (L2143)

    (L0829)

    (L2260)

    (L2261)

    MUSEU MILITAR DE Lisboa , MUSEU DO EXERCITO

    (No local onde se encontra o Museu do Exército foram construídas no tempo de D. Manuel I umas edificações designadas por Tercenas das Portas da Cruz., que após diversas vicissitudes foram destruídas por um incêndio e pelo Terramoto de 1755. Em 1760 D. José I mandou reconstruir os edifícios destruídos tendo parte do edifício em que se encontra atualmente o Museu sido concluída em 1764. Estas obras levaram mais de um século. O Pórtico da entrada principal, a Oeste, foi concebido pelo Engenheiro francês Maurice de Larre contratado por D. João V, havendo quem também o atribua ao Engenheiro Húngaro Carlos Mardel. Sob a direção de Bartolomeu da Costa o Arsenal Real do Exercito em que o local se transformara e em funcionaram fundições de artilharia chegou a ter, entre1764 e 1802, 23 oficinas e cerca de 2.000 operários. Entrou em declínio após a morte de Bartolomeu da Costa, só melhorando a sua atividade com D. Pedro IV. Um Pórtico desenhado pelo Escultor Teixeira Lopes dá hoje acesso ao Largo dos Caminhos de Ferro. O Museu tomou a sua configuração atual em 1905. Na Sala Vasco da Gama tem uma coleção de antigos canhões e murais relacionados com a descoberta do caminho marítimo para a índia. Outras salas dedicam-se à Primeira Grande Guerra, outras à evolução das armas em Portugal) (Endereço: Museu Militar de Lisboa, Largo do Museu de Artilharia 1100-468 Lisboa, Telef: (351) 218 842 569, Fax: (351) 218 842 559, E-mail: mmilitar@um.geira.pt) (Horário: de terça-feira a domingo das 10,00 às 17,00, última admissão às16,00. Ao fim de semana encerra das 12,30 às 13,30. Encerra às segundas-feiras, Feriados, Domingo de Páscoa e 25 de dezembro) (Tarifário: 3 Euros, adulto, ver descontos)

    (L0560)

    (L0828)

    (L2148)

    LARGO DO CHAFARIZ DE DENTRO – CHAFARIZ

    (Antigo Lago do Chafariz dos Cavalos pelas cabeças de cavalo donde escorria a água pode eventualmente ser de origem romana, passando a ser conhecido pela denominação atual a partir do século XIV. Situa-se no largo com o seu nome e pertence à Freguesia de Santo Estevão, 1100-139 Lisboa)

    (L0561)

    (L0582)

    MUSEU DO FADO

    (O Museu do Fado foi inaugurado em 25 de setembro de 1998. Além de diversas atividades culturais, mostra a história da Canção Nacional Portuguesa nascida nas classes populares Lisboa oitocentista, o Fado, fazendo també jus aos seus intérpretes. Foi muito importante para o reconhecimento, pela Unesco em 27 de novembro de 2011, do Fado como Património Cultural Imaterial da Humanidade. Endereço: Largo do Chafariz de Dentro 1, 1100-139 Lisboa, Telef: (351) 218 823 470, Fax: (351) 218 823 478, E-mail: museudofado@egeac.pt) (Horário: de terça-feira a Dongo das 10,00 às 18,00, última admissão às 17,30. Encerra às segundas-feiras, 1 de janeiro, 1 de maio e 23 de dezembro) (Tarifário: 5 Euros com reduções para cartão-jovem, menores de 14 e maiores de 65 anos, reformados e pensionistas, grupos organizados e famílias).

    (L0583)

    IGREJA DE SÃO MIGUEL

    (A origem da Igreja de São Miguel remonta aos primórdios da nacionalidade portuguesa no século XII, tendo sido sobre ela edificado um outro edifício entre 1673 e 1720 sob a direção do Arquiteto João Nunes Tinoco. O seu estilo é maneirista/barroco, tem muita talha dourada e telas atribuídas a Bento Coelho. O seu interior é uma nave com teto de madeira com painéis ornamentais. Foi classificada Imóvel de Interesse Público em 26 de fevereiro de 1982) (Endereço: Largo de São Miguel 1100-541 Lisboa, Telef: (351) 218 866 559, 38º42’39,85 Norte 9º7’45,9 Oeste)

    (L0579)

    (L0581)

    (L0571)

    RUAS DE ALFAMA DURANTE A ÉPOCA DO SANTO ANTÓNIO

    (L0563)

    (L0564)

    (L0565)

    (L0566)

    (L0567)

    (L0568)

    (L0569)

    CASA MAIS TÍPICA DE ALFAMA JUNTO À IGREJA DE SÃO MIGUEL

    (L0570)

    (L0576)

    (L0573)

    (L0578)

    RESTOS DAS SARDINHAS E PIMENTOS ASSADOS DEPOIS DE UMA NOITE DE SANTO ANTÓNIO EM ALFAMA

    (L0580)

    CASA DOS BICOS – FUNDAÇÃO JOSÉ SARAMAGO

    (A Casa dos Bicos ou Casa de Brás de Albuquerque foi construída em estilo renascentista italiano em 1523 para o filho do Vice-Rei da Índia Afonso de Albuquerque, Brás de Albuquerque . O Terramoto de 1755 causou-lhe graves danos, tendo sido vendida para armazém e comércio de bacalhau em 1973. Foi reconstruída em 1983, serviu de espaço para exposições e nela funciona, a partir de 13 de junho de 2012, a Fundação José Saramago e a sua Exposição sobre a vida e obra do Prémio Nobel português da Literatura, que inclui a Medalha do Prémio Nobel) (Endereço: Casa dos Bicos, Rua dos Bacalhoeiros 10 1100-135 Lisboa, Telef: (351) 218 802 040, Fax: (351) 218 475 342, E-mail: info.pt@josesaramago.org ) (Horário: de segunda-feira a sexta-feira das 10,00 às 18,00, última admissão à 17,30, sábado das 10,00 às 14,00, última admissão às 13,30. Encerrada aos domingos) (Tarifário: 3 Euros, adultos; 2 Euros estudantes; grátis, maiores de 65 anos e investigadores por marcação).

    (L0584)

    (L0585)

    (L0587)

    TERMINAL FERROVIÁRIO DO SUL E SUESTE

    (O Terminal Ferroviário do Sul e Sueste, projetado por Cottinelo Telmo, foi inaugurado em 28 de maio de 1932, fazendo a ligação para a Linha do Sado. O Terminal já assegura a ligação o Metropolitano, mas parte da sua estrutura está ainda em obras que estão a cargo da nesta de Cottinelo Telmo, Arquiteta Ana Costa. O Terminal liga por Catamarans Lisboa ao Barreiro onde as linhas ferroviárias do Sul de Portugal terminam os seus percursos e cujo terminal Rodo-Ferro-Fluvial assegura também as ligações com Setúbal e Praias do Sado. Regista um movimento diário de cerce de 22.200 passageiros e tem fundos baixos) (Endereço: Terminal Ferroviário do Sul e Sueste, Av. Infante D. Henrique 1100- 282 Lisboa, Telef: (351) 218 824 670, Telef. Informações: (351) 218 082 030 50, Fax: (351) 218 883 704, E-mail: geral@soflusa.pt)

    (L2053)

    (L2056)

    (L1777)

    (L1453)

    (L1454)

    PRAÇA DO COMÉRCIO OU TERREIRO DO PAÇO

    (Praça que se situa-se junto ao Rio Tejo no local onde durante aproximadamente dois séculos existiu o palácio dos reis de Portugal. O primeiro rei que habitou o palácio, Paço da Ribeira, foi D. Manuel I e fê-lo a partir de 1511. Foi destruído pelo terramoto de 1755, sendo a praça reconstruída no tempo de D. José I e Marquês de Pombal sob a direção do Arquiteto Eugénio dos Santos. É atualmente ocupada por diversos Ministério sendo de realçar sob os seus arcos o Café Martinho, onde o Poeta Fernando Pessoa escreveu alguns dos seus poemas. Nela são também de chamar a atenção para o Cais das Colunas, o Arco Triunfal da Rua Augusta e a Estátua Equestre de D. José I. No Terreiro do Paço, Praça do Comércio, foram assassinados em 1 de fevereiro de 1908 o Rei D. Carlos e o Príncipe Luís Filipe. No dia 25 de abril de 1974 defrontaram-se na Praça do Comércio, sem derrame de sangue, as forças revoltosas do 25 de Abril e as tropas leais ao Governo de Marcello Caetano e Américo Tomaz).

    Praça do Comércio, vista do Miradouro do Castelo

    (L1101)

    (L1122)

    Praça do Comércio, vista geral

    (L1595)

    (L1591)

    (L1588)

    Praça do Comércio – Esplanadas

    (L2063)

    Praça do Comércio, com Castelo de São Jorge

    (L1768)

    Cais das Colunas

    (Fez parte desde o início do projeto para o Terreiro do Paço elaborado pelo Arquiteto Eugénio dos Santos após o Terramoto de 1755 só tendo sido concluído em finais do século XVIII).

    (L1773)

    (L1774)

    (L1458)

    (L1460)

    (L2060)

    Arco Triunfal da Rua Augusta

    (Situado entre a Praça do Comércio e a Rua Augusta foi concluído em 1875 com projeto do Arquiteto Veríssimo José da Costa, com esculturas de Celestin Anatole Calmels e Vítor Bastos. Nela estão representados Vasco da Gama, Nuno Álvares Pereira, Viriato, o Marquês de Pombal e Glória a coroar o Génio e o Valor assim como inscritas as palavras VIRTVTVS MAIORUM VT SIT OMNIBVS DOCVMENTO.PPD que significam: ÀS VIRTUDES DOS MAIORES PARA QUE SIRVA A TODOS DE EXEMPLO. DEDICADO A EXPENSAS PÚBLICAS).

    Arco Triunfal visto do Terreiro do Paço

    (L1596)

    (L1598)

    Arco Triunfal visto da Rua Augusta

    (L0739)

    Estátua Equestre de D. José I

    (Com 14 metros de altura esculpida por Joaquim Machado de Castro sob desenho do Arquiteto Eugénio dos Santos; no pedestal de pedra tem um medalhão representando o Marquês de Pombal).

    (L1590)

    (L1589)

    (L1586)

    Estátua Equestre de D. José I e Arco Triunfal da Rua Augusta de noite

    (L1845)

    Café-Restaurante Martinho da Arcada

    (Café nascido em 1778, conta cerca de 230 anos, tendo sido centro de tertúlias e o local onde o Poeta Fernando Pessoa, seu frequentador assíduo escreveu alguns, senão muitos, dos poemas. Teve desde a sua origem diversas designações: Café Gelo, Casa do Café Italiano, Café dos Jacobinos, Casa da Neve, Café da Arcada do Terreiro do Paço e, finalmente, Martinho da Arcada (morada: Praça do Comércio, 3, 1100-148 Lisboa, Telef: (351) 218 879 259, Fax: (351) 218 867 757, E-mail: martinhodaarcada@sapo.pt) (especialidades: arroz de polvo malandrinho, garoupa à lagareiro, espadarte `portuguesa, rosbife à inglesa, bife de alcatra à portuguesa e pastéis de nata).

    Esplanada do Martinho da Arcada

    (L1603)

    Interior do Martinho da Arcada

    (L1604)

    Mesa de Fernando Pessoa, Martinho da Arcada

    (L1605)

    (L1606)

    PRAÇA DO MUNICÍPIO

    (Praça que alberga os Paços do Concelho de Lisboa, varanda do onde foi proclamada as República Portuguesa em 5 de outubro de 1910. Nela também se encontra um Pelourinho com uma esfera armilar simbolizando a independência da administração municipal).

    Edifício Câmara Municipal de Lisboa (Paços do Concelho)

    (Edifício que assenta sobre o local onde, logo após o Terramoto de 1755, foram construídos uns Paços do Concelho com projeto de Eugénio dos Santos, Paços esses que, tendo sido totalmente destruídos por um incêndio em 19 de novembro de 1863, foram substituídos em 1880 por uns outros com projeto de Domingues Monteiro modificado por Ressano Garcia, modificação que originou o atual frontão clássico que contém esculturas de Anatole Camels. Também contribuíram para a sua forma atual, José Luís Monteiro, Columbano Bordalo Pinheiro, Pereira Cão e Malhoa).

    (L1222)

    (L1226)

    (L1229)

    Vista da Praça do Município do lado contrário à Câmara

    (L1225)

    Pelourinho da Praça do Município

    (O Pelourinho, Incluindo a esfera armilar, tem uma altura de 10 metros e simboliza a independência e a governação municipal da cidade de Lisboa. Foi projetado pelo arquiteto e engenheiro militar Eugénio dos Santos e inaugurado no último quartel do Século XVIII. A coluna tem base, fuste e capitel e foi esculpida numa base monolítica de pedra de Pero Pinheiro).

    (L1227)

    (L1778)

    Tribunal da Relação e Rua do Arsenal

    (Tribunal instalado no edifício pombalino do antigo Arsenal da Marinha, desenhado década de 1760 pelo Eng. Reinaldo Manuel, na Porta G da Rua do Arsenal, 1100-000 Lisboa)(a Rua do Arsenal obteve o seu nome do Arsenal da Marinha que nela funcionou desde o século XVIII até 1939. Assistiu ao regicídio de 1908 e foi o refúgio das família real após Este acontecimento).

    (L1230)

    (L1779)

    Rua do Arsenal em direção à Praça do Comércio por onde passaram os blindados do Governo comandados pelo Brigadeiro Junqueira dos Santos que se confrontaram com as Forças Revolucionárias do 25 de Abril comandadas pelo Capitão Salgueiro Maia

    (L1224)

    Rua do Arsenal, a partir da Praça do Município e em direção ao Cais do Sodré

    (L1781)

    Rei do Bacalhau, de Santos Ramalho, Lda.

    (Mercearia muito antiga que vende excelente bacalhau seco – que para dessalar deve ser colocado com a pele para cima – línguas, caras e ovas de bacalhau, e outros artigos que fazem pensar em como era calma e tranquila a vida de antigamente por contraste com a que se vive com os supermercados atuais em que, graças às técnicas de marketing, se entra para comprar um produto se sai com uma carrada de coisas que eventualmente estragarão (Endereço: Rua do Arsenal, 58 1100-040 Lisboa, Telef: (351) 21 347 27 49).

    (L1783)

    (L1784)

    (L1785)

    CAIS DO SODRÉ

    (Local, anteriormente designado por Ribeira das Naus, onde existiam estaleiros de construção naval e que atualmente contem a Praça Duque da Terceira, antigamente designada por Praça dos Remolares, a Estação de Caminho de Ferro que liga Lisboa a Cascais passando pelo Estoril e o Relógio do Cais do Sodré).

    (L1262)

    (L2064)

    Cais do Sodré visto do rio Tejo

    (L1764)

    (L1672)

    (L1671)

    Estátua do Duque da Terceira

    (Com a altura de 3,30 metros e de autoria de José Simões de Almeida (tio) e Arquiteto António Gaspar, concluída em 1875 e comemorando o desembarque do Duque da Terceira em Lisboa a 24 de julho de 1833, quarenta e quatro anos após o acontecimento).

    (L1257)

    Estação do Cais do Sodré ou da Estação da Linha de Cascais

    (Inaugurada em 4 de setembro de 1895 e cujo grande responsável foi Fausto Figueiredo, a quem se deve o desenvolvimento inicial e a consolidação do Estoril).

    (L1185)

    (L1253)

    (L1254)

    Relógio do Cais do Sodré

    (Este relógio mantém, sob a égide da Administração do Porto de Lisboa, a sua sincronização via internet com o mecanismo do Observatório Astronómico de Lisboa, apresentando a Hora Legal Portuguesa).

    (L1261)

    MERCADO DA RIBEIRA OU 24 DE JULHO

    (Mercado situado na Avenida 24 de Julho, cerca do Cais do Sodré, foi inaugurado em 1882 e mantem o traço original. No exterior tem diversas lojas com produtos alimentares regionais e especialidades No Piso térreo interior comercializam-se flores e produtos frescos de Lisboa e Vale do Tejo. O primeiro Piso tem um restaurante de comida regional e uma loja de artesanato e vinhos. Eventualmente nos últimos sábados de cada mês tem uma Feira de Produtos Usados, My Stock) (Funciona de Segunda a sábado das 10,00 às 23,00 e das 07,30 às 14,00 aos domingos).

    Mercado

    (L0722)

    (L0723)

    Loja no exterior (Cacau da Ribeira)

    (L1267)

    Loja no exterior (Ginja d’Óbidos)

    (L1268)

    Mercearia no exterior

    (L1269)

    Venda de produtos frescos

    (L0724)

    (L0725)

    (L1270)

    (L1272)

    Venda de flores

    (L0726)

    ZONA DAS DOCAS DO CAIS DO SODRÉ

    (Zona ribeirinha de restaurantes e diversões cerca do terminal de barcos para a “outra banda” do Rio Tejo)

    (L0721)

    (L2065)

    (L2066)

    Terminal Fluvial do Cais do Sodré

    (De autoria de Nuno Teotónio Pereira e inaugurado em 17 de dezembro de 2002, recebe ligações de Cacilhas, Montijo e Seixal e é utilizado diariamente por cerca de 56.000 pessoas. Telef: (351) 808 203 050; http://www.transtejo.pt).

    (L0720)

    (L1192)

    (L1674)

    (L2068)

    (L2071)

    Monumento frente ao Terminal Fluvial do Cais do Sodré

    (L1194)

    (L2072)

    (L2073)

    (L2074)

    Vista da zona das docas

    (L0721)

    (L2076)

    (L2077)

    MIRADOURO DO ALTO DE SANTA CATARINA OU MIRADOURO DO ADAMASTOR

    (O Miradouro do Alto de Santa Catarina, onde se localiza a Estátua do Adamastor, situa-se no Jardim do Alto de Santa desde 1883 e teria sido dele que o General Francês Junot do Exercito Napoleónico, tendo chegado atrasado, assistiu à partida dos navios que transportaram a família real portuguesa para o Brasil em 1808 não conseguindo capturá-la. Deste facto proviria a expressão “ficar a ver navios do Alto de Santa Catarina” com o significado de “espectativa gorada”. Aliás, no local onde se encontra o Miradouro já se apreciariam as movimentações de navios nos XVI, XVII e XVIII. Dele podem avistar-se Palmela, Arrábida, Cacilhas, Porto Brandão e Trafaria).

    (L1307)

    (L1312)

    Estátua do Adamastor – Miradouro do Alto de Santa Catarina

    (A Estátua do Adamastor é de inspiração camoniana e representa todos os perigos, tempestades, naufrágios, e “perdições de toda a sorte” que os navegadores portugueses tiveram de enfrentar nas rotas dos descobrimentos. É de autoria de Júlio Vaz Júnior e foi inaugurada em 1927).

    (L1309)

    Vistas do Miradouro do Alto de Santa Catarina

    (L1314)

    (L1315)

    (L1316)

    (L1319)

    MIRADOURO DO JARDIM 9 DE ABRIL OU DA ROCHA DE CONDE D’ÓBIDOS

    (Entre a Cruz Vermelha Portuguesa e o Museu Nacional de Arte Antiga)

    (Situa-se na antiga cerca do Convento das Albertas ou das Freiras Carmelitas. A designação 9 de abril é uma homenagem às tropas portuguesas que nessa data durante a 1ª Guerra Mundial sofreram o assalto frontal de uma grande ofensiva alemã e cujo esforço inicial incidiu sobre o sector português. Foi o começo da Batalha de La Lys e os soldados portugueses tiveram um comportamento heroico)

    (L1824)

    Vistas do Miradouro do Jardim 9 de Abril

    (L0591)

    (L0592)

    MUSEU NACIONAL DE ARTE ANTIGA

    (Situado na Rua das Janelas Verdes, 1249-017, Lisboa, telefone: (351) 21 391 28 00, fax (351) 21 397 37 03, E-mail: mnarteantiga@imc-ip-pt, no antigo Palácio dos Condes de Alvor, além de exposições temporárias também tem exposições permanentes de pintura e artes decorativas europeias, mobiliário, ourivesaria joalharia, cerâmicas, vidros e porcelana portugueses, porcelanas do Japão e da China, artes orientais, pintura e escultura portuguesas. As suas dez obras de referência são: Painéis de São Vicente atribuídos a Nuno Gonçalves. Tentações de Santo Antão de Jheronymyus Bosh (magnífico), São Jerónimo de Albrech Durer, Fonte Bicéfala em calcário do Século XVI, São Leonardo de Andrea della Robbia, Cruz de D. Sancho I de 1214 em ouro, safira e pérolas, Custódia de Belém do ourives Gil Vicente ano de 1506, Centro de mesa de Thomas Germain em prata fundida, biombos de Kano Domi, arte Nambam, saleiro em marfim do Benin) (Horário: terça-feira: das 14,00 às 18,00; quarta-feira a domingo das 10,00 às 18,00; encerra às segundas-feiras, 1 de janeiro, Domingo de Páscoa, 1 de maio e 25 de dezembro. Tarifário: 5 Euros, entrada livre aos domingos e Feriados de manhã).

    Museu nacional de Arte Antiga, fachada

    (L0590)

    Museu Nacional de Arte Antiga, visto da beira-rio

    (L0711)

    (L0713)

    (L0718)

    (L1677)

    CRUZ VERMELHA PORTUGUESA

    (Tem a sua Sede Nacional no espaço histórico do Palácio da Rocha do Conde d’Óbidos, com vista direta sobre o Rio Tejo, no Jardim 9 de Abril, 1 a 5, 1249-083, Lisboa, telefones (351) 213 913 900, (351) 213 913 993, E-mail sede@cruzvermelha.pt).

    Sede nacional da Cruz Vermelha Portuguesa vista da beira-rio

    (L0712)

    (L0715)

    (L0594)

    DOCA DE RECREIO DE ALCÂNTARA

    (Latitude 9º12’Norte 38º42 Oeste, Administração do Porto de Lisboa, Doca de Alcântara, 1399-012 Lisboa, telefone (351) 213 922 048, fax (351) 213 922 085, E-mail doca.alcantara@portodelisboa.pt, calado de entrada 7,0 metros, calado máximo 10,0 metros)

    Doca de Recreio de Alcântara

    (L1832)

    (L1834)

    (L1835)

    Ponte móvel da Doca de Recreio de Alcântara

    (L1822)

    (L1823)

    Veleiro Príncipe Perfeito na Doca de Recreio de Alcântara

    (Cruzeiros no Rio Tejo, telefone (351) 21 243 9281, Móvel (351) 96 513 9021, E-mail: administração@veltagus.com)

    (L0493)

    (L0714)

    Caravela Vera Cruz na Doca de Recreio de Alcântara

    (Travessa Conde da Ponte, 8 1300-141 Lisboa, Telef: (351) 218 876 854, Fax: (351) 218 873 885, E-mail: caravela@aporvela.pt)

    (L1829)

    (L1830)

    GARE MARÍTIMA DA ROCHA DE CONDE D’ÓBIDOS

    (Projetada pelo Arquiteto Pardal Monteiro partir de 1934 e construída entre 1945 e 1948 foi inaugurada em 19 de junho de 1948, contém painéis de autoria de José de Almada Negreiros, subdivididas em dois trípticos e duas figuras avulsas, uma delas alusiva ao milagre de D. Fuas Roupinho. Serve de terminal para navios de passageiros nomeadamente para navios de cruzeiros. Endereço: Administração, Rua da Junqueira 94, 1349-026 Lisboa. Telef: (0351) 213 611 000. E-mail: geral@portodelisboa.pt).

    (L1827)

    (L1812)

    (L1683)

    MUSEU DA FUNDAÇÃO DO ORIENTE

    (A Coleção do Museu da Fundação do Oriente, que foi inaugurado em 8 de maio de 2008, possui cerca de 1.400 peças valorizando os testemunhos das diversas culturas asiáticas e a presença Portuguesa na Ásia, assim como muitas peças da coleção Kwok On composta por marionetas cantonesas instrumentos musicais, livros e objetos diversos, coleção que, com base nas peças oferecidas por Kwok On a Jacques Pimpaneau, deu origem, em 1971, ao Museu Kwok On. O Museu da Fundação do Oriente organiza-se em campos temáticos relacionados tanto com a cultura popular e religiões orientais como com os aspetos da presença portuguesa durante cinco séculos na Ásia. Está instalado nos antigos armazéns da Comissão Reguladora do Comércio de Bacalhau agora edifício Pedro Álvares Cabral. A Fundação do Oriente foi constituída em 18 de março de 1988 pela Sociedade de Turismo e Diversões de Macau, STDM como contrapartida do exclusivo da Concessão do Jogo neste território e o capital inicial de 212.000.000 de patacas e uma contribuição adicional de 100.000.000 patacas. Endereço: Museu do Oriente – Av. Brasília, Doca de Alcântara (Norte) 1350-352 Lisboa, Telef: (351) 213 585 200, Fax: (351) 213 585 215, E-mail: info@foriente.pt) (Horário: terça-feira a domingo das 10,00 às 18,00; sexta-feira das10,00 às 22,00, entrada gratuita a partir das 18,00. Encerrado às segundas-feiras, 1 de janeiro e 25 de dezembro. Últimas admissões 30 minutos antes do fecho) (Tarifário: 5 Euros, adultos; maiores de 65 anos 3 Euros; crianças dos 6 aos 12 e estudantes 2 Euros)

    (L0707)

    (L0708)

    (L0709)

    GARE MARÍTIMA DE ALCÂNTARA

    (L1838)

    (L1839)

    (Projetada pelo Arquiteto Porfírio Pardal Monteiro e Inaugurada em 7 de julho de 1943, contém murais de autoria de José de Almada Negreiros. Serve de terminal para navios de passageiros, nomeadamente para navios de cruzeiros. Endereço: Edifício Infante Dom Henrique, Doca de Alcântara Norte, 1399-121 Lisboa. Telef: (0351) 213 611 000. E-mail: geral@portodelisboa.pt).

    De dia

    (L0694)

    (L1687)

    De noite

    (L1210)

    PONTE 25 DE ABRIL SOBRE O RIO TEJO

    (Ponte suspensa construída pela United States Export Steel Company, foi inaugurada em 6 de agosto de 1966 com o nome de Ponte Salazar, tendo passado a ter posteriormente, após a Revolução de 25 de Abril, passado a ser designada por Ponte 25 de Abril. Comprimento do vão principal: 1.012, 88 m; distância entre amarrações: 2.227,64 m; viaduto do acesso Norte: 945,11 metros; altura livre acima do nível da água: 70,00 m; altura das torres principais acima do nível da água: 190,50 m; diâmetro dos cabos principais: 58,60 cm. Custou dois milhões e duzentos mil contos, 2.200.000.000 escudos, equivalentes a 11.000.000 de euros atuais) (Portagens em Euros: classe 1: 1,55 €; classe 2: 3,55 €; classe 3: 5,05 €; classe 4: 6,60 €).

    Ponte 25 de Abril de dia

    (L5423)

    (L0683)

    (L0691)

    (L0701)

    (L1364)

    (L1395)

    (L1758)

    Ponte 25 de Abril de noite

    (L0505)

    (L1204)

    (L1206)

    Ponte 25 de Abril – Tabuleiro

    (L1421)

    Ponte 25 de Abril – Tabuleiro visto por baixo

    (L1691)

    ESTÁTUA DE CRISTO REI SOBRANCEIRA A Lisboa

    (Projetada pelo Arquiteto Paulo Lino e esculpida por Francisco Franco de Sousa à semelhança do Cristo Redentor do Rio Janeiro, Brasil, situa-se em frente a Lisboa, do outro lado o Rio Tejo, a 113 metros de altitude no Concelho de Almada, local do Pragal. Tem 75 metros de altura, um Cristo Redentor com 28 m e um pedestal com 82 metros. Levou 10 anos a ser construída e foi inaugurada em 17 de maio de 1959. Para a sua construção foi feita uma recolha de donativos que rendeu 18.000 contos, 18.000.000 escudos, 90.000 euros atuais, preço aproximado da obra) (Horários: de Inverno das 09,30 às 18,15, última admissão às 18,0: de Verão: dias de semana das 09,30 às 18,30, última admissão às 18,15 e fins de semana das 09,30 às 19,00, última admissão às 18,45. Encerra em 24 de dezembro às 13,00 e reabre a 25 de dezembro às 14,30 e encerra em 31 de dezembro às 18,15 e reabre a 1 de janeiro às 10,00) (Tarifário: ubida ao Monumento 4 Euros de novembro a junho e 5 Euros de julho a outubro).

    (L0629)

    (L0692)

    (L0702)

    (L1384)

    (L1387)

    (L1388)

    Cruz deitada exterior

    (L1401)

    Cruz no interior do monumento

    (L1398)

    Vistas a partir do monumento

    (L1363)

    (L1364)

    (L1367)

    (L1369)

    (L1371)

    (L1373)

    (L1374)

    (L1375)

    (L1376)

    DOCA DE SANTO AMARO

    (Tem capacidade para 237 embarcações com mais de 6 metros e 94 embarcações inferiores a 6 metros, E-mail: doca.stamaro@portodelisboa.pt. Fica muito perto da Ponte 25 de Abril e é uma zona com muitos restaurantes e especialidades de muitas regiões portuguesas e de diversos países).

    De dia

    (L0697)

    (L0699)

    (L0700)

    De noite

    (L1209)

    ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA – CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA – AIP-CCI

    (Fundada em 1837 e situada na Praça Industrias, 1300-307 Lisboa (em Alcântara), telefone (351) 213 601 000, htt://www.aip.pt/)

    (L0596)

    (L1564)

    CENTRO DE CONGRESSOS DE Lisboa – CCL

    (Tem uma área de 10.000 m2, situa-se na Praça Indústrias, 1300-307 Lisboa (em Alcântara), telefone (351) 213 601 400, fax (351) 213 601 499. E-mail Lisboacc.pt)

    (L1563)

    CORDOARIA NACIONAL

    (O Edifício da Cordoaria Nacional, erguido no reinado de D. José em 1771, tem cerca de 50 metros de largura e um comprimento de quatrocentos. Foi a antiga Real Fábrica da Cordoaria da Junqueira, também designada por Real Cordoaria da Junqueira, onde se fabricavam os cabos, cordas de sisal, velas e bandeiras que equipavam as naus portuguesas. Situa-se perto do Tejo sendo paralelo ao mesmo. Atualmente a nave principal e o torreão Norte são utilizados para eventos, como por exemplo edições do Stockmarket em que os produtos têm descontos da ordem dos 50% aos 80%, exposições de arte contemporânea, e feiras diversas. Endereço: Av. da Índia/Travessa das Galeotas 1300-299 Lisboa, Telef: (351) 213 646 128)

    (L0688)

    MUSEU DA ELETRICIDADE – EDP

    (O Museu da Eletricidade ocupa o edifício da antiga Central Tejo que trabalhava a carvão e que forneceu a cidade de Lisboa de energia elétrica desde inícios do seculo XX. Foi inaugurado em maio de 2006 e pretende ser simultaneamente um museu tecnológico e um polo de ciência. Endereço: Av.de Brasília, Central Tejo 1300-598 Lisboa, Telef: (351) 210 028 190 E-mail fundacaoedp@edp.pt) (horário: terça-feira a domingo das 10,00 às 18,00. Encerrado às segundas-feiras, 1 de janeiro, 1 de maio e 25 de dezembro) (Tarifário: entrada grátis)

    (L0683)

    (L1699)

    (L1754)

    ESTAÇÃO FLUVIAL DE BELÉM

    (A estação Fluvial de Belém foi construída em 1936 e remodelada pela última vez em 1986, permitindo, quando em funcionamento, o embarque em ferry-boats de automóveis e passageiros para Porto Brandão).

    (L1702)

    (L1753)

    PALÁCIO DE BELÉM

    (Situado na Praça Afonso de Albuquerque,1349-022 Lisboa, telefone (351) 213 614 660 foi antigo palácio de reis e abriga atualmente a Presidência da República Portuguesa. Nele se encontra também o Museu da Presidência da República e o Museu dos Coches, antigo Picadeiro Real. No terceiro domingo de cada mês às 11 horas processa-se a cerimónia da Rendição Solene ou Render da Guarda pela Guarda de Honra do Palácio Nacional de Belém a cargo do Esquadrão Presidencial do Regimento de Cavalaria da Guarda Nacional Republicana).

    Vista da Praça Afonso de Albuquerque

    (L0599)

    (L0680)

    Vista do Palácio de Belém

    (L0597)

    (L0604)

    (L1569)

    Palácio de Belém – Guarda Republicana

    (Cerimónia de Render da Guarda: Terceiro de domingo de cada mês pelas 11,00 horas)

    (L1568)

    MUSEU NACIONAL DOS COCHES

    (O Museu dos Coches foi o antigo Picadeiro Real do Palácio de Belém construído em 1726 pelo Arquiteto Giacomo Azzolini passando em 1905 a Museu dos Coches Reais no Reinado de D. Carlos I e sob o patrocínio da Rainha D. Amélia. Com o advento da Republica o seu nome passou a Museu Nacional dos Coches. Está em vias de ser mudado para um novo edifício nos terrenos das Oficinas Gerais do Exército segundo um projeto do Arquiteto Paulo Archias Mendes da Rocha. É um dos melhores museus de coches europeus, senão o melhor. Endereço: Praça Afonso de Albuquerque 1300-004 Lisboa. Telef: (351) 213 610 850 Fax: (351) 213 632 503 E-mail: mncohes@pmuseus.pt) (Horário: de terça-feira a domingo das 10,00 às 18,00, última entrada às 17,30 . Encerrado às segundas-feiras, 1 de janeiro, 1 de maio, Domingo de Páscoa e 25 de dezembro) (Tarifário: 5 Euros; mais de 60 anos: 2,5 Euros; cartão jovem: 2,00 Euros).

    (L1566)

    Museu da Presidência da República

    (O Museu da Presidência da República contem peças ligadas aos diversos Presidentes da República desde 1910. Endereço: Praça Afonso de Albuquerque 1349-022 Lisboa. Telef: (351) 213 614 660 E-mail: museu@presidência.pt (Horário: de terça-feira a sexta-feira das 10,00 às 18,00, sábado das 11,00 às 16,00, domingo das 14,30 às 16,00. Encerra às segundas-feiras, 1 de janeiro, Páscoa (3 dias), 1 de maio, 24 e 25 dce dezembro. Tarifário: 1,50 Euros).

    (L1567)

    Estátua a Afonso de Albuquerque

    (A Estátua a Afonso de Albuquerque, Vice-Rei da Índia (1508-1515), situa-se no Jardim com o seu nome. Foi inaugurada em 3 de outubro de 1902 e é de autoria o Arquiteto Silva Pinto e do Escultor Costa Mota (tio). É feita em bronze, tem uma altura de 3 metros e assenta sobre um coluna neomanuelina em pedra de lioz).

    (L0601)

    (L1574)

    PASTÉIS DE BELÉM

    (Pastéis de nata confecionados na Fábrica dos Pastéis de Belém, considerados uma das 7 maravilhas da pastelaria portuguesa. A sua receita provém de uns clérigos do Mosteiro dos Jerónimos que a puseram à venda numa loja. Tendo o Mosteiro sido fechado em 1834, o seu pasteleiro vendeu a receita ao português Domingos Rafael Alves. Em 1837 os pastéis passaram a ser vendidos na Antiga Confeitaria de Belém, atualmente a Fabrica dos Pastéis de Belém, com uma produção diária artesanal de aproximadamente 15.000 unidades, sendo normal formarem-se filas de espera para a sua aquisição. Os pastéis de Belém comem-se habitualmente polvilhados de canela e açúcar em pó, como faz o autor sempre que pode)(Preço de um pastel de Belém: 1,05 Euros)

    Calçada em frente à Fábrica de Pastéis de Belém

    (L1908)

    Fábrica de Patéis de Belém com fila de espera

    (L0607)

    Pastéis de Belém – Parte da zona de fabrico

    (L1912)

    Balcão da Fábrica de Pastéis de Belém de manhã muito cedo

    (L1918)

    Pastéis de Belém – uma das múltiplas salas de manhã muito cedo

    Fábrica de Pastéis de Belém – Pormenores

    (L1909)

    (L1915)

    (L1916)

    (L1917)

    Pastéis de Belém e embalagem típica de 6 unidades e que contém no interior pacotinhos de canela e açúcar em pó

    (L1300)

    Pastéis de Belém polvilhados com açúcar em pó

    (L1301)

    Quiosque em frente à Fábrica de Pastéis de Belém

    (L1304)

    (L1907)

    PADRÃO DO BECO DO CHÃO SALGADO OU PELOURINHO DOS TÁVORAS

    OU MEMÓRIA DO CHÃO SALGADO

    (Em 3 de setembro de 1758, em Belém, o rei D. José sofre um atentado, tendo sido dele culpabilizados o Duque de Aveiro e os Távoras. Foram supliciados no ano seguinte com extrema violência. O Marquês de Pombal, Sebastião de Carvalho e Melo, mandou construir no local do atentado o Pelourinho do Beco do Chão Salgado, tendo todo o local sido salgado para que nele nem as ervas pudessem crescer. O Pelourinho foi construído em 1759 e situa-se num Beco muito próximo da Fábrica de Pastéis de Belém)

    (L1900)

    (L1898)

    (L1899)

    ZONA DE RESTAURANTES NA RUA VIEIRA PORTUENSE (PARALELA À RUA DOS PASTÉIS DE BELÉM DO LADO DO RIO)

    (L1901)

    (L1902)

    Restaurante Montenegro

    (Rua Vieira Portuense 44, Santa Maria de Belém, 1300-571 Lisboa. Telef: (351) 213 638 279. Especialidades: joaquinzinhos com arroz de tomate ou outro, espetada de lulas com camarão, arroz de gambas malandrinho, linguiça e morcela assadas, mousse de chocolate)

    (L1905)

    JARDIM BOTÂNICO TROPICAL – FUNDAÇÃO BERARDO

    (O Jardim Botânico Tropical situa-se cerca do Mosteiro dos Jerónimos e ocupa uma área de 5 hectares incluindo uma estufa de aquecimento. Foi criado em 25 de janeiro de 1906 para o ensino agronómico colonial no Instituto de Agronomia e Veterinária. Designado por Jardim Colonial foi também um centro de estudo e experimentação de culturas. Em 1944 funde-se com o Museu Agrícola Colonial, integrando-se em 1974 na Junta de Investigação do Ultramar. Em 1983 tomou o seu nome de Jardim-Museu Agrícola Tropical. Endereço: Rua da Junqueira 86. 1300-344 Lisboa, Telef: (351) 213 616 340, Fax: (351) 213 609 739 E-mail: jbt@iict.pt) (Horário de Verão: de segunda-feira a sexta-feira das 09,00 às 18,00, sábado e domingo das 11,00 às 19,00. Horário de Inverno: de segunda-feira a sexta-feira das 09,00 às 17,00, sábados e domingos das 10,00 às 17,00. Encerra no Domingo de Páscoa, 25 de dezembro e 1 de janeiro) (Tarifário: 2 Euros adultos, dos 12 aos 18 anos e maiores de 65 anos: 1,00 Euro).

    (L1894)

    (L1893)

    (L1896)

    MOSTEIRO DOS JERÓNIMOS

    (O Mosteiro dos Jerónimos é Património Cultural de toda a Humanidade desde 1983. Comemora os Descobrimentos Portugueses e foi mandado construir por D. Manuel I, após a descoberta do Caminho Marítimo para a India por Vasco da Gama (1497 a 1949), em Estilo Manuelino, arquitetos Diogo Boitaca e João Castillo perto do local onde o Infante D. Henrique mandou edificar uma igreja dedicada a Santa Maria de Belém. Foi entregue à Ordem de São Jerónimo que o manteve até 1834. Sobreviveu ao Terramoto de 1755, mas foi danificado pelas tropas de Napoleão. As obras começaram em 1501 e só foram concluídas quase que um século depois. Contem os túmulos de D. Manuel e sua mulher D. Maria, de D. João III e mulher D. Catarina, D. Sebastião, D. Henrique, Vasco da Gama, Luis Vaz de Camões, Alexandre Herculano e Fernando Pessoa. Nele encontra-se também o Museu de Arqueologia e o Museu da Marinha. Os seus claustros são magníficos e nele foi assinado o Tratado de Adesão à União Europeia. De 1834 em diante passou a ser a Igreja Paroquial de Santa Maria de Belém. Na sua arquitetura contam-se muitos símbolos de navegação, plantas e animais exóticos. Endereço: Praça do Império, 1400-206 Lisboa, Telef: (351) 213 620 034, fax (351) 213 639 145, E-mail: mjeronimos@gespar.pt (Horários: de outubro a abril das 10,00 às 17,30, última entrada às 17,00; de maio a setembro das 10,00 às 18,30, última entrada às 18,00. Encerrado às segundas-feiras, 1 de janeiro, Domingo de Páscoa, 1 de maio e 25 de dezembro) (Tarifário: entrada livre na Igreja do Mosteiro. No Claustro e Anexos: 7 Euros adulto, 50 por cento de desconto acima dos 65 anos).

    Praça do Império e Mosteiro dos Jerónimos

    (L0623)

    Fonte Luminosa no centro da Praça do Império

    (L0615)

    (L0624)

    (L1580)

    Mosteiro dos Jerónimos – Exterior da Ala da Igreja com Portal Sul

    (L0609)

    (L0614)

    (L1575)

    Mosteiro dos Jerónimos – Exterior da Ala do Museu Nacional de Arqueologia

    (L1577)

    Mosteiro dos Jerónimos – Exterior da Ala do Museu da Marinha

    (L1887)

    (L1888)

    (L1890)

    Museu dos Jerónimos – Portal Axial da Igreja (principal)

    (L1927)

    Mosteiro dos Jerónimos – Nave

    (L1852)

    (L1928)

    (L1950)

    Mosteiro dos Jerónimos – Altar-mor

    (Por cima do Altar-mor encontra-se um retábulo com cenas da Paixão de Cristo e Adoração dos Magos de autoria de Lourenço Salzedo (1572-1574)

    (L1933)

    (L1947)

    Mosteiro dos Jerónimos -Túmulos de D. Manuel I e de D. Maria

    na Capela-mor à esquerda, lado do Evangelho

    Túmulo mais perto: D. Maria – Túmulo mais distante: D. Manuel I

    (L1938)

    (L1945)

    (L1946)

    Mosteiro dos Jerónimos – Túmulos de D. João III e D. Catarina

    na Capela-mor à direita, do lado da Epístola

    Túmulo mais perto: D. Catarina – Túmulo mais distante D. João III

    (L1944)

    Mosteiro dos Jerónimos – Túmulo de Vasco da Gama

    (L1861)

    Mosteiro dos Jerónimos – Capela de Nosso Senhor dos Passos

    (L1863)

    (L1942)

    Mosteiro dos Jerónimos – Pia Batismal

    (L1943)

    Mosteiro dos Jerónimos – Zona dos Túmulos do Cardeal D. Henrique e dos filhos de D. Manuel I

    (no braço esquerdo do transepto)

    (L1931)

    (L1932)

    (L1937)

    (L1938)

    Mosteiro dos Jerónimos – Zona dos Túmulos do Rei D. Sebastião e dos filhos de D. João III

    (no braço direito do transepto)

    (L1929)

    (L1936)

    (L1934)

    Mosteiro dos Jerónimos – Túmulo de Luís Vaz de Camões

    (L1849)

    Mosteiro dos Jerónimos – Claustros Manuelinos

    (L1867)

    (L1868)

    (L1869)

    (L1882) Escada

    (L1883)

    Mosteiro dos Jerónimos – Túmulo de Alexandre Herculano

    (L1871)

    (L1870)

    Mosteiro dos Jerónimos – Túmulo de Fernando Pessoa

    (L1874)

    (L1873)

    Mosteiro dos Jerónimos – Sacristia

    (L1855)

    (L1857)

    MUSEU NACIONAL DE ARQUEOLOGIA

    (O Museu Nacional de Arqueologia situa-se numa das alas do Mosteiro dos Jerónimos e foi fundado em 1893 pelo Dr. José Leite de Vasconcelos reunindo a sua coleção e a de Estácio da Veiga. Edita a publicação “O Arqueólogo Português” desde 1895 e tem a biblioteca mais especializada no campo da arqueologia em Portugal. Endereço: Praça do Império 1400-206 Lisboa, Telef: (351) 213 620 000, Fax: (351) 213 620 016, E-mail: seducativo@mnarqueologia-ipmuseus.pt) (Horário: de terça-feira a domingo das 10,00 às 18,00 podendo fechar entre as 12,00 e 14,00, última entrada às 17,45 na entrada principal e às 17,45 na entrada oriental. Encerra às segundas-feiras, Domingo de Páscoa, 1 de maio, 25 de dezembro e 1 de janeiro) (Tarifário: 5 Euros adulto, cartão jovem 2 Euros, acima dos 65 anos, 2,50 Euros).

    Museu Nacional de Arqueologia – Exterior

    (L1577)

    (L1921)

    (L1973)

    Museu Nacional de Arqueologia – Regiões da Lusitânia

    (L2135)

    (L2136)

    (L1952)

    (L1953)

    Museu Nacional de Arqueologia – Antiguidades Egípcias

    (L1954)

    Museu Nacional de Arqueologia – Tesouro – Artefactos de Ouro

    (L1958)

    Museu Nacional de Arqueologia – Tesouro – Os Torques

    (L1959)

    Museu Nacional de Arqueologia – Olaria Romana da Quinta do Rouxinol

    (L1961)

    Museu Nacional de Arqueologia – Os Meus Bonecos, de Noémia Cruz

    (L1970)

    (L1963)

    (L1969)

    (L1964)

    MUSEU DA MARINHA

    (O Museu da Marinha situa-se numa das alas do Mosteiro dos Jerónimos. O conceito de um museu da marinha começou a tomar forma com um decreto do rei D. Luís de 22 de julho de 1863 e teve também ajuda valiosa da Rainha D. Maria II que ofereceu os modelos de navios existentes no Palácio da Ajuda à Real Academia dos Guardas-Marinha. Em 1916 um incêndio destruiu parte das coleções. O que restou da coleção foi albergado provisoriamente na Escola Naval. Henrique Maufroy de Seixas contribuiu muito para a consecução do projeto que legou em testamento de 1948 a sua valiosa coleção para um Museu Naval. O acervo museológico até então reunido foi concentrado na Biblioteca e Museu da Marinha localizado no Palácio do Conde de Farrobo ou Palácio das Laranjeiras. Em 15 de agosto de 1962 o Museu da Marinha abriu oficialmente as suas instalações ao público nas alas Norte e poente do Mosteiro dos Jerónimos. Endereço: Praça do Imperio 1400-206 Lisboa, Telef: (351) 213 620 019, Fax: (351) 213 631 987,E-mail. Museu@marinha.pt) (Horário: desde 1 de outubro a 30 de abril de terça-feira a domingo das 10,00 às 17,00; desde 1 de maio a 30 de setembro das 10,00 às 18,00. Encerra às segundas-feiras, 1 de janeiro, Domingo de Páscoa, 1 de maio e 25 de dezembro) (Tarifário: 5,00 Euros adultos, maiores de 65 anos 2,50 Euros, estudantes e jovens dos 6 aos 18 anos 2,50 Euros).

    Museu da Marinha – Exterior

    (L1890)

    (L1887)

    (L1888)

    (L2132)

    Museu da Marinha – Infante D. Henrique

    (L1975)

    Museu da Marinha – Painel

    (L1976)

    Museu da Marinha – Maquetes várias

    (L1977)

    (L1978)

    (L1979)

    (L1981)

    (L1982)

    (L1983)

    Museu da Marinha – Maquete do Cruzador Adamastor

    (Construído em Livorno em 1896 foi financiado por subscrição pública para responder a Inglaterra quando do Ultimato de Britânico de 1890, sendo o seu primeiro comandante o Capitão de Mar e Guerra Ferreira do Amaral. Teve parte ativa no Golpe de 5 de outubro que levou à Implantação da República bombardeando o Palácio Real das Necessidades)

    (L1991)

    Museu da Marinha – Fardas

    (L1985)

    (L1986)

    Museu da Marinha – Padrão

    (L1980)

    Museu da Marinha – Augusto Castilho

    (O navio patrulha Augusto Castilho, lançado em 1909 foi primeiramente o arrastão de pesca do bacalhau Elite. Recebeu posteriormente peças de artilharia à vante e à ré passando à categoria de navio patrulha com o nome Augusto Castilho em homenagem ao Almirante Augusto Vidal de Castilho Barreto e Noronha. Durante a Primeira Grande Guerra Mundial e Comandado pelo primeiro-tenente Carvalho Araújo para proteger, como era sua missão, o vapor S. Miguel, que partira do Funchal com 206 passageiros a bordo e que na manhã de 13 de outubro de 1918 ficou sob fogo de um submarino alemão, o U-Boat U-139, decidiu fazer avançar, após duas horas de combate, o Augusto Castilho diretamente contra Este, por ter ficado sem munições e caixas de fumo. O primeiro-tenente Carvalho Araújo morreu no seu posto em combate, tendo sido o seu valor e o valor da sua tripulação elogiados no relatório do comandante do U-139).

    (L1989)

    Museu da Marinha – Bergantins, Galeotas e Aviões

    Aspeto geral da nave

    (L1997)

    Galeota Pequena

    (L1998)

    (L1999)

    Saveira Doirada

    (L2001)

    (L2002)

    Galeota Grande

    (L2003)

    (L2004)

    Bergantim Real

    (L2009)

    (L2014)

    (L2015)

    (L2010)

    (L2013)

    (L2011)

    Travessia Aérea do Atlântico Sul

    Gago Coutinho e Sacadura Cabral

    (L2017)

    Hidroavião Santa Cruz

    (L2019)

    Aviões Antigos da Marinha Portuguesa

    (L2026)

    (L2030)

    (L2028)

    CENTRO CULTURAL DE BELÉM

    (Fundação Centro Cultural de Belém, Praça do Império, 1449-003 Lisboa, telefone (351) 213 612 400, fax: (351) 213 361 2500, E-mai ccb@ccb.pt, Foi iniciado em 1988 e concluído em 1993 para acolhimento da Presidência da União Europeia com projeto dos arquitetos Vittorio Gregotti e Manuel Salgado. Tem uma área de 97.000 m2 e está dividido em cinco zonas: Centro de Reuniões, Centro de Espetáculos, Centro de Exposições, Zona Hoteleira e Equipamento Complementar. Alberga como exposição permanente o Museu Coleção Berardo – Arte Moderna e Contemporânea).

    Centro Cultural de Belém

    (L1919)

    (L0626)

    (L0627)

    Entrada para o Museu Coleção Berardo

    (O Museu Berardo dedica-se à arte moderna contemporânea tendo a sua coleção mais de 800 obras de arte europeia e americana. O Museu foi inaugurado em 25 de junho de 2007 após a criação da Fundação de Arte Moderna e Contemporânea e com base na coleção particular do Comendador José Manuel Rodrigues Berardo e está organizado em sete núcleos: autonomia, poder da cor, figura reinventada, minimalismos, popl & c., re-take, surrealismo e mais além. Contem quadros de Picasso, Bacon, Andy Warhol, Paula Rego, Vieira da Silva e Pedro Cabrita Reis. Endereço: Centro Cultural de Belém, Praça do Império, 1449-003 Lisboa, Telef: (351) 213 612 913, Fax: (351) 213 612 570, E-mail: museuberardo@museuberardo.pt) (Horário: diariamente das 10,00 às 19,00 e sexta-feira das 10,00 às 22,00) (Tarifário: 5 Euros, domingos entrada gratuita, até 18 anos entrada gratuita, maiores de 65 anos 2,50 Euros. Horário e Tarifário de Verão, julho e agosto: diariamente das 10,00 às 19,00, sextas-feiras, sábados e domingos das 10,00 às 22,00. Entrada gratuita das 18,00 às 22,00 às sextas-feiras e sábados).

    (L0613)

    PLANETÁRIO CALOUSTE GULBEKIAN

    (Planetário Calouste Gulbekian – Centro de Ciência Via, Praça do Império, 1400-206 Lisboa, Telef: (351) 213 620 002, Móvel (351) 91 200 0949, Fax: (351) 213 636 005, E-mail planetário@marinha.pt. Inaugurado em 20 de julho de 1965 integra-se no Museu da Marinha, concretizando tanto o sonho do Oficial de Marinha Comandante Eugénio e como as aspirações da Sociedade Astronómica de Portugal (Os horários das Sessões devem ser obtidos diretamente dos contatos mencionados anteriormente) (Tarifário: dos 18 anos aos 64 anos 4,00 Euros, até aos 17 anos ou cartão jovem 2,50 Euros, a partir dos 65 anos 2,50 Euros).

    (L0612)

    (L1885)

    PADRÃO DOS DESCOBRIMENTOS

    (O Padrão dos Descobrimentos é um monumento em betão e pedra de lioz inaugurado em 1960 no âmbito da comemoração dos quinhentos anos após a morte do Infante D. Henrique e é a réplica do Monumento criado pelo Arquiteto Cottineli Telmo e pelo escultor Leopoldo de Almeida erigido para a Exposição do Mundo Português em 1940. Tem um serviço educativo, uma sala de exposições e um miradouro a 50 metros de altura e debruça-se sobre o Rio Tejo. Endereço: Av. Brasília 1400-038 Lisboa, Telef: (351) 213 031 950, Fax: (351) 218 820 098, E-mail: padraodosdescobrimentos@egeac.pt) (Horário de Verão de maio a setembro diariamente das 10,00 às 19,00, últimas admissões às 18,30. Horário de Inverno de outubro a abril de terça-feira a domingo das 10,00 às 18,00, últimas admissões às 17,30) (Tarifário: adulto 3,00 Euros, dos 12 aos 18 anos, reformados e pensionistas, cratão jovem, Automóvel Clube de Portugal 2,00 Euros).

    (L0670)

    (L0674)

    (L1708)

    (L1712)

    TORRE DE BELÉM

    (A Torre de Belém inicialmente designada por Baluarte de São Vicente e Baluarte do Restelo foi construída entre 1514 e 1520 no reinado de D. Manuel I e é Património Cultural de toda a Humanidade. Tem dois corpos distintos: Torre de Menagem Medieval e Baluarte Moderno com dois níveis de disparo. O arquiteto da Torre de Belém foi Francisco de Arruda que também projetou a Casa dos Bicos e o Palácio da Bacalhoa. As obras da Torre de Belém foram entregues a Diogo Boitaca. Endereço: Torre de Belém 1400-206 Lisboa, Telef: (351) 213 620 034, Fax: (351) 213 639 145, E-mail: mjeronimos@igespar.pt) (Horários: de outubro a abril das 10,00 às 17,30, última entrada às 17,00, de maio a setembro das 10,00 às 18,30, última entrada às 18,00. Encerrado às segundas-feiras, 1 de janeiro, Domingo de Páscoa, 1 de maio e 25 de dezembro) (Tarifário: adulto 5 Euros, maiores de 65 anos 2,50 Euros, cartão jovem 2,00 Euros).

    (L0647)

    (L0649)

    (L0651)

    (L0652)

    (L1725)

    (L1728)

    (L0648)

    MONUMENTO NACIONAL AOS COMBATENTES DO ULTRAMAR E MUSEU

    (Monumento de autoria de Carlos Guerreiro e Batista Barros, foi inaugurado em 12 de junho de 2005 em homenagem aos que tombara em combate em defesa de Portugal na Guerra do Ultramar entre 1961 e 1974. A sua parede exterior está forrada com placas com os nomes de todos os que morreram nessas circunstâncias. O Museu contém além de espaços expositivos ao ar livre, a exposição permanente do Combatente Português no Século XX e a exposição da História da Aviação Militar. Endereço: Forte do Bom Sucesso, Av. Brasília 1400 Lisboa, Telef: (351) 213 017 225, Fax: (351) 213 463 304, E-mail: fbs.marketing@ligacombatentes.org.pt) (Horário: diariamente das 10,00 às 18,00) (Tarifário: adultos 3,00 Euros, reformados 2,00 Euros. Se visitar a Exposição de repteis passa para 4,25 Euros).

    (L0653)

    (L1733)

    (L2080)

    (L2084)

    (L2085) Guarda de Honra

    (L2090)

    (L2092)

    (L2093)

    (L2095)

    (L2103)

    (L2122)

    (L2125)

    CENTRO DE INVESTIGAÇÃO CHAMPALIMAUD, FUNDAÇÃO CHAMPALIMAUD

    (A Fundação Champalimaud apoia a investigação em áreas de ponta e desenvolver programas avançados e de inovação tecnológica, assim como a prestação interdisciplinar de cuidados clínicos na prevenção, diagnóstico e tratamento do cancro. O seu Centro de Investigação em Pedrouços foi inaugurado em 5 de outubro de 2010 e o seu projeto é de autoria do arquiteto Charles Correa. A Fundação, presidida pela Dra. Leonor Beleza, foi criada por testamento do empresário António Champalimaud que doou 500 milhões de euros para o efeito. O nome completo da Fundação é Fundação Anna Sommer de Andrade e Dr. Carlos Montez Champalimaud, pais de António de Sommer Champalimaud, tendo sido registada em 17 de dezembro de 2004. Endereço: Av. Brasília, Doca de Pedrouços 1400-038 Lisboa, Telef: (351) 210 480 113, Fax: (351) 210 480 299, E-mail: info@neuro.fchampalimaud.org).

    (L0659)

    (L0669)

    (L1842)

    (L1841)

    (L1727)

    (L1734)

    (L1740)

    (L2114)

    CENTRO DE CONTROLE DE TRÁFEGO MARÍTIMO – VTS Lisboa

    (A Torre de Controle de Tráfego Marítimo de Lisboa foi projetada pelo Arquiteto Gonçalo Byrne e inaugurada em julho de 2001. Tem 36 metros de altura e inclina-se segundo um ângulo de 75º. Endereço: APL – Administração do Porto de Lisboa S.A., Rua da Junqueira 94, 1349-026 Lisboa, Telef: (351) 213 611 000, E-mail: geral@portodelisboa.pt)

    (L0667)

    ..

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.