POVOA DE LANHOSO

  • PÓVOA DE LANHOSO
    (5156)
    Localização
    Localização Portugal
    Póvoa de Lanhoso (Nossa Senhora do Amparo)
    Região Norte
    Sub-região do Ave
    Distrito de Braga

    Latitude: 41.576678; Longitude: -8.2721013
    Altitude: 194 metros.

    Área 134,65 Km2
    Habitantes 5 000
    Clima Mediterrânico.
    Estradas N-205, N-310
    Habitação
    Médio Custo

    Hotel Rural Maria da Fonte
    Quinta do Fundão
    4830-065 Póvoa de Lanhoso
    Telef: (351) 253 639 600

    Hotel Rural Vila Joaquina
    Rua da Aldeia
    4830 Póvoa de Lanhoso
    Telef: (351) 253 639 090

    Onde Comer

    Restaurante Avenida
    Avenida da República, 144
    4830-513 Póvoa de Lanhoso
    Telef: (351) 253 631 524

    Restaurante Maria da Fonte
    Avenida 25 de Abril, 306
    4830-512 Póvoa de Lanhoso
    Telef: (351) 253 631 743

    Especialidades Gastronómicas
    Cabrito à São José, bacalhau assado na brasa com batatas a murro, bifes à Romaria, pão-de-ló, cavacas, charutos, rosquilhas, Vinho Verde
    Detalhes
    A zona de Póvoa de Lanhoso tem vestígios das culturas castreja e romana.
    Póvoa de Lanhoso tem como primeira referência o seu castelo que data do tempo de D. Teresa, mãe do primeiro rei de Portugal, D. Afonso Henriques, que foi construído ou, pelo menos, reedificado no século XII.
    Em 1121 as tropas de sua irmã D. Urraca sitiaram o castelo sem êxito e a contenda entre as irmãs terminou com o Tratado de Lanhoso assinado também em 1121.
    D. Teresa é mais tarde derrotada na Batalha de São Mamede em 1128 pelo seu filho que teria, diz a lenda, encarcerado a mãe em subterrâneos do castelo ainda desconhecidos, provindo deste suposto episódio o Mito do Pecado Original.
    No final do século XII o alcaide do castelo, Rodrigo Gonçalves Pereira, mandou incendiar o reduto fortificado onde se abrigava a sua mulher por suspeitar da sua infidelidade.
    Em Coimbra, D. Dinis, em 25 de setembro de 1292 outorgou uma Carta Foral a Póvoa de Lanhoso.
    Em 1680 muitas pedras do castelo foram utilizadas para a construção do Santuário de Nossa Senhora do Pilar.
    Em 1846 Póvoa de Lanhoso revoltou-se contra o Governo cartista de Costa Cabral, sendo a revolução, que alastrou ao resto do país, liderada por Maria da Fonte, natural da freguesia de Fontarcada, cuja identidade real ainda é discutida por diversos autores.
    Uma das razões da revolução foi a decisão do governo em não permitir enterrar os mortos nas igrejas.
    A revolução de Maria da Fonte provocou a substituição, ordenada por D. Maria II, de Costa Cabral pelo 1º Duque de Palmela, Pedro Holstein.
    Após um golpe de estado palaciano, Emboscada de 6 de outubro, D. Maria II nomeou o Duque de Saldanha para presidir a um novo ministério, seguindo-se a guerra civil da Patuleia que terminou com a Convenção de Gramido em 30 de junho de 1847.
    Póvoa de Lanhoso dedica-se principalmente à agricultura, tecelagem, linho, cestaria, carpintaria, esculturas religiosas, ferraria, pirotecnia, construção civil, mármores, granitos, vestuário, pecuária, avicultura.

    Câmara Municipal de Lanhoso
    Telef: (351) 253 639 700
    geral@mun-planhoso.pt

    Locais a Visitar
    Castelo, Mosteiro da Fonte de Arcada, Ponte de Mem Gutierres, Santuário de Nossa Senhora do Pilar, Citânia de Lanhoso, Santuário de Nossa Senhora de Porto d’Ave
    Festas
    19 de março Festas de Nosso Senhor do Socorro e São Tiago
    Último domingo de maio Peregrinação ao Pilar
    1º domingo de setembro Romaria de Nossa Senhora de Porto d’Ave
    Fotos

    (5157)


    (5158)


    (5155)


    (5152)


    (5153)


    (5161)


    (5151)


    (5150)


Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.